Lula diz que vai ser candidato, mas Justiça pode barrá-lo

Petista diz não ter influência no PT e recua de ameaça a procuradores

Em ato em Curitiba, Lula reafirma que vai ser candidato em 2018 – PAULO WHITAKER / REUTERS

SÃO PAULO – Em depoimento ao juiz Sergio Moro e no comício que fez em seguida, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a afirmar nesta quarta-feira que será candidato à Presidência da República no ano que vem. Mas, a julgar pelo prazo das decisões judiciais, ele corre risco de ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa pela Justiça Eleitoral.

A média de tempo levada por Sergio Moro e pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) para julgar processos recentes indica que a condenação em segunda instância aconteceria perto da data limite estipulada pela Lei da Ficha Limpa, às vésperas da eleição do ano que vem, segundo levantamento feito pelo GLOBO.

Depois de ouvir o interrogatório dos réus, fase pela qual o ex-presidente Lula passou ontem, Moro levou, em média 128 dias para publicar a sentença. O levantamento foi feito pelo GLOBO em três casos de repercussão julgados pelo magistrado neste ano. O prazo variou entre 51 dias, no caso do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, e 196 dias, no processo em que os marqueteiros João Santana e Mônica Moura foram condenados.

Se houver uma condenação nos dois tribunais, a sentença do TRF-4 poderia sair entre julho — o que tornaria Lula ficha-suja — e setembro de 2018, o que não causaria interferência alguma em sua candidatura, porque o prazo para isso vai até o registro da candidatura.

Ontem, ao prestar depoimento para Moro, o ex-presidente voltou a dizer que será candidato, sem mencionar eventuais impedimentos legais:

— Se quisesse ser candidato, eu seria em 2014, mas, depois de tudo isso que está acontecendo, eu estou dizendo, em alto e bom som, que vou querer ser candidato à Presidência da República outra vez — disse Lula.

prisão de procuradores

No depoimento, Moro perguntou a Lula se, com sua “influência” no PT, ele havia pedido investigações internas no partido depois que as denúncias vieram à tona. O petista, embora tenha sido e ainda seja a pessoa mais influente dentro do partido — tanto que conseguiu emplacar Dilma Rousseff como sua candidata à Presidência em 2010 — tentou negar.

— Sabe que essa influência dentro do Partido dos Trabalhadores é porque o Ministério Público não conhece o PT. Porque, se eles conhecessem o PT, eles não falariam isso. Eu não participo de uma reunião de dirigentes do PT desde que fui eleito presidente, em 2002. Até 2014, quando deixei a Presidência, que eu comecei a participar. Eu não tenho nenhuma influência no PT, eu tenho influência na sociedade, quando eu falo, as pessoas me ouvem, algumas ouvem.

No depoimento, Lula foi indagado por Moro sobre a declaração que o petista fez na semana passada, quando citava o noticiário, em que disse que mandaria prender quem diz mentiras sobre ele. Moro quis saber o que ele quis dizer com tal declaração.

— Eu quis dizer o seguinte. A história não para com esse processo, a história um dia vai julgar se houve abuso ou não de autoridade nesse caso do comportamento, tanto da Polícia Federal quanto do Ministério Público, no meu caso — disse Lula, interpelado em seguida pelo juiz.

— E o senhor pretende mandar prender os agentes públicos? — insistiu o magistrado.

— Como é que vou saber, nem sei se eu vou tá vivo amanhã — esquivou-se Lula.

— Foi o que o sr. afirmou lá (no evento do PT) — disse Moro.

— Uma força de expressão. O dia que o senhor for candidato o senhor vai ter muita força de expressão — afirmou o ex-presidente.

— Acha apropriado um ex-presidente da República dizer isso? — seguiu Moro.

— Acho que não, acho que não — admitiu o ex-presidente.

Comente usando seu Facebook